4.11.10

Migalhas

Os olhos famintos vasculhavam o mundo de forma frenética. Era incapaz de manter o olhar fixo em um único ponto. A vista sempre foi eterna busca, uma procura constante por pequenos fragmentos de um mundo melhor. Um aceno distante sem vontade = um orgasmo, um resto = um banquete, um “bom dia” = um discurso. O exagero das sensações era uma forma de potencializar o pouco de vida que chegava àquela criatura sem cor nos lábios, sem luz nos olhos e sem gordura nas carnes. O corpo já havia se acostumado com as privações de comida, de sol, de água, de sexo. Com lambidas, vasculhava os sacos vazios de pão. Essa sensação deixaria qualquer um arrepiado, mas tal atitude provocava nele uma reação sinestésica de prazer: percebia o aroma e o sabor do alimento que esteve ali, sentia as migalhas sendo umedecidas pela saliva, rememorava quando ainda podia comer um pão inteiro, quente, com manteiga e café. No lixo do açougue encontrou um vira-lata devorando verozmente um saco de vísceras, aquele que lhe era reservado especialmente pelo açougueiro uma vez por semana. Não se tratava apenas de um saco de miúdos em estado de putrefação, era o único gesto de compaixão, atenção e solidariedade que recebia havia muitos anos. Não iria perder seu momento mais precioso para um cachorro vira-lata. Então lutou. Mordidas, latidos, gritos. Vísceras podres misturadas com vísceras frescas e pulsantes. Venceu. Decidiu que a grande batalha de toda a sua vida deveria ser celebrada: consumiu os restos do seu oponente ainda com o calor da batalha no corpo, porque todo mundo sabe que inimigo a gente consome cru e com sangue quente, inimigo não se tempera, inimigo não se assa.

13.10.10

Passoodianocomputadoresperandoahoradeusarocomputadordaminhacasaparafingirqueomundosemcomputadornãoexiste

14.4.10

Fronha

sabe quando você engole a fronha e ela fica só com um pedacinho pra fora da boca? e o resto fica entre o seu estômago, o esôfago e a garganta? e você não sabe se arranca com tudo ou se engole logo, mas fica com medo de engolir porque depois vai ter que cagá-la todinha?

27.2.10

O meu detergente em pó não tira todas as manchas

Pois sua nova fórmula já ficou velha

E não funciona mais nas roupas da coleção passada

Que não servem no meu corpo engordecido

Pelas batatas sorridentes

Fritas em óleo de soja transgênica

Modificada, transmutada, resignificada

Numa soja, já não tão soja

Que melhora a minha saúde

Mas dá câncer

Que nasce

Mata

E morre

31.1.10

A Cartomante

Suas primeiras previsões versavam apenas sobre câncer e problemas intestinais. Com o passar do tempo enxergava tuberculose, tifo, gonorréia, micose de unhas e mais tarde, toda a sorte de mazelas que fazem parte da vivência humana.

Durante toda a vida foi rejeitada e açoitada. Acreditava-se que a pequena era uma feiticeira, mas com o passar do tempo, perceberam seus poderes de vidência. Perceberam também que se tratava de uma vidência diminuta, viciosa, agourenta e sombria. Até então considerada um fardo imprestável, tiveram a idéia de colocá-la na calçada de casa, prostrada a uma mesa, para usar seus poderes a favor de todos, em troca de uns trocados. Um sucesso. Em pouco tempo, todos os populares deixavam ali boa parte de seu dinheiro. A pequena não se cansava em ditar tragédias, traições, falsidades, mentiras, doenças, mortes, acidentes e roubos. Era capaz também de listar todas as falhas de caráter de um indivíduo sem sequer ter conhecido o infeliz. Dessa forma, disseminou a discórdia por toda a comunidade, pois ali era impossível esconder mesquinharia, mentira, raiva, ódio, inveja, egoísmo, gula, preconceito, conservadorismo, tara ou orgulho.

Então um dia previu a morte do Michael Jackson e foi parar no programa do Gugu. No próximo domingo vai revelar como, quando e onde falecerá Madonna, Ricky Martin e a Gretchen.